13 May
RIO ON WATCH: despejos, gentrificação e deslocamento no Rio de Janeiro
Lido 8222 vezes | Publicado em Notícias | Última modificação em 16-05-2013 00:28:24
 
Imagem do vídeo "Realengo, aquele desabafo" Crédito: Reprodução
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

 

Conhecida como a "Cidade Maravilhosa", o Rio de Janeiro também é conhecido como a "cidade partida", já que a população mais pobre ainda enfrenta disparidades significativas e segregação histórica no acesso aos serviços públicos. O site de notícias RioOnWatch.org divulga três documentários de curta-metragem que mostram o processo de remoções forçadas no contexto dos megaeventos esportivos. O vídeo “Realengo, aquele desabafo”, produzido pelos pesquisadores do Observatório das Metrópoles, discute a recente política habitacional de reassentamento da Prefeitura do Rio de Janeiro, a partir do programa Minha Casa Minha Vida.

Segundo o site RioOnWatch, o que se vê na realidade urbana atual do Rio de Janeiro são  moradores de favelas de toda a cidade sendo forçados a sair de suas casas e comunidades. Dezenas de milhares de famílias estão tendo que deixar suas casas, muitas vezes de décadas, devido à intervenção direta do Estado, onde os moradores são informados de que estão sendo removidos por conta das obras dos megaeventos esportivos, ou porque estão em "áreas de risco", ou devido a as forças mais sutis da especulação imobiliária e “gentrificação” em que os moradores não podem mais dar ao luxo de viver em suas próprias comunidades. Esses processos significam que os residentes devem se mudar para áreas carentes, periféricas da cidade, onde a terra é mais barata, novas favelas estão sendo formados, e a maioria dos programas de habitação pública está sendo construída.

Os documentários “Casas Marcadas”, “Eu, Favela” e “Realengo, aquele desabafo” oferecem uma visão importante sobre os diferentes aspectos e fases desses processos em andamento no Rio de Janeiro e como elas estão afetando as pessoas e comunidades envolvidas. Com legendas em inglês por RioOnWatch, esses vídeos são visão essencial para a compreensão de como despejo, gentrificação e deslocamento estão remodelando o Rio e perpetuando a famosa desigualdade da cidade e da marginalização histórica dos pobres.

Rio On Watch

Em maio de 2010,  Catalytic Communities  (ComCat), uma organização sem fins lucrativos, lançou Rio Olympics Neighborhood Watch (RioOnWatch), um programa para trazer visibilidade às vozes das favelas e das comunidades cariocas no contexto dos preparativos para as Olimpíadas de 2016. O site de notícias RioOnWatch.org é o principal veículo para a publicação das perspectivas de lideranças comunitárias, moradores, e observadores internacionais, à luz das transformações urbanas aceleradas que atualmente caracterizam o Rio. O programa RioOnWatch também trabalha para aumentar a participação de jornalistas da comunidade e observadores internacionais na elaboração de relatórios sobre as transformações do Rio de Janeiro.

Perspectiva política

Depois de três décadas de estagnação, e com a economia mundial à beira da recessão, o Rio de Janeiro é hoje uma das cidades que mais cresce nas Américas. Mais cara do que Nova York, e agora a receber mais do que o dobro do investimento internacional de São Paulo, uma cidade marcada por décadas de má gestão pública e desinvestimento é agora “a bola da vez” para tirar proveito das recentes descobertas de petróleo offshore e de ter sido escolhido para sediar a Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, para se reconstituir "uma cidade global".

No entanto, apesar de imprensa noticiar como positiva as políticas de intervenção em favelas da cidade, e do trabalho significativo por parte da administração municipal para gerar uma imagem positiva diante da opinião pública internacional, há um crescente debate sobre se o crescimento da cidade pode realmente servir para reduzir suas desigualdades. Conhecida como a "Cidade Maravilhosa", pela sua beleza geográfica, o Rio de Janeiro também é conhecido como a "cidade partida" pela população local, já que muitas vezes ricos e pobres vivem lado a lado, sendo que os pobres ainda enfrentam disparidades significativas e segregação histórica no acesso aos serviços públicos.

Qual será o destino destas comunidades do Rio de Janeiro? Como a cidade atualmente lida com essas comunidades? O que podemos prever? Rio vai aproveitar esta oportunidade única de crescer e consolidar a sua economia sem comprometer o seu patrimônio cultural único, e de uma forma que reduza as desigualdades?

“Realengo, aquele desabafo”

Moradores despejados de favelas estão sendo levados para novas habitações construídas pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Blocos de apartamentos no extremo da Zona Oeste do Rio de Janeiro. O filme “Realengo, aquele desabafo” relata as experiências dos moradores realocados para um tal condomínio na Zona Oeste no bairro Realengo. Descrevendo as dificuldades de movimento novo local, a partir de infraestrutura deficiente e das severas restrições sobre o uso de propriedade, os moradores falam sobre algumas das principais falhas na habitação, despejo e realocação atual política pública do Rio de Janeiro.

Acesse os documentários e conheça o site do RioOnWatch.org.

 

 

 



Etiquetado como:



O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net