13 Feb
Dossiê Racismo, sociedade, cultura e política (UFPB)
Read 791 times | Published in Notícias | Last modified on 13-02-2017 18:11:32
 
font size decrease font size increase font size
Rate this item
(0 votes)

O Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPB divulga a publicação do nº 44 da Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho, que traz como destaque o “Dossiê Racismo, sociedade, cultura e política: diálogos Brasil - Portugal”, além de artigos, entrevistas, resenhas e tradução.

A Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho é a publicação oficial do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPB. Em circulação há mais de 30 anos, reflete o compromisso do PPGS-UFPB na disseminação de um debate acadêmico atualizado e de alta qualidade na área das ciências sociais. Nas suas primeiras edições, a Revista enfatizou os temas do trabalho e da política, ampliando seu escopo para a diversidade temática nas áreas da Sociologia, Política, Antropologia e Humanidades.

A Revista de Ciências Sociais – Política & Trabalho se destina a pesquisadores, estudantes e público interessado nas áreas de Sociologia, Política, Antropologia e Humanidades.

 


A seguir o editorial da edição nº 34, assinado pelos editores Giovanni Boaes e Flávia Ferreira Pires.

Acesse o conteúdo completo da Revista de Ciências Sociais, nº 34.

 

 

EDITORIAL

O Brasil vive momentos de grande apreensão política e social. A fusão do Ministério da Ciência e Tecnologia com o Ministério das Comunicações e os cortes orçamentários da pauta da educação afligem a Universidade de maneira particular. O avanço das políticas sociais e a mobilidade alcançada por grupos minoritários estão em suspenso. A PEC 241 ameaça os ganhos sociais dos últimos 15 anos, estes que foram fundamentais para a diminuição da pobreza e da desigualdade social, ao mesmo tempo em que a Universidade viu-se mais democrática, franqueando o acesso ao ensino universitário a uma primeira geração de brasileiros e brasileiras cujas famílias até então não tinham tido.

Os negros, em particular, conseguiram romper dificuldades seculares. Tendo em vista esse momento histórico, faz-se importante debater o racismo, tema do dossiê que integra esse novo número da Revista Política & Trabalho, que temos a satisfação de anunciar. O dossiê temático Racismo, sociedade, cultura e política: diálogos Brasil-Portugal, organizado por Cristina Matos, Universidade federal da Paraíba (UFPB\Brasil) e Marta Araújo, do Centro de Estudos Sociais (CES\Portugal), vem contribuir para esse debate, que ultrapassa as fronteiras da nação. De inspiração pós-colonialista, a questão Brasil- Colônia/Portugal-Metrópole transparece revisitada na medida em que o tráfico de escravos e a escravidão marcaram nossos territórios e modos de existir, tanto aqui quanto além-mar.

Além dos artigos do dossiê, contamos ainda com sete artigos de uma larga diversidade de filiações institucionais, temáticas e abordagens, além de duas resenhas e uma tradução.

O artigo Crise de identidade e disrupção moral: a experiência dos trabalhadores portuários avulsos de Santos no processo de modernização portuáriade Rosana Machin (USP), Márcia Thereza Couto (USP) e Eunice Nakamura (Unifesp), explora a experiência e os sentidos atribuídos pelos trabalhadores ao novo modelo de gestão portuária implementado, cujo fim era aumentar a competitividade, enfatizando eficácia e eficiência. As autoras apontam como o processo de modernização abala uma cultura de trabalho ancorada num sistema ocasional, coletivo, de ritmo irregular, essencialmente masculino e com controle do processo de trabalho particular.

Em “Da razão contraditória ao ideal ascético: o ‘trajeto antropológico’ nas Políticas Culturais”, Eduardo Portanova Barros (Unisinos) e Francisco Coelho Cuogo (Unisinos) procuram identificar as características de um ideal ascético na prática institucional das Políticas Culturais, dialogando com Maffesoli e Nietzsche.

Em “Educação, saúde e trabalho: o Programa Primeira Infância Melhor – PIM em São Lourenço do Sul/RS”, Jordana Wruck Timm (PUC-RS), Denise Castro Padilha (UFRGS) e Milena Cristina Aragão (Faculdade Estácio), revisam elementos importantes do Programa Primeira Infância Melhor, atentando para o seu impacto no que toca à educação, à saúde e ao trabalho das famílias cujas crianças são beneficiadas (zero a três anos).

Em um ensaio teórico, intitulado “Etnografia, etnologia & teoria antropológica”, Alicia Ferreira Gonçalves (UFPB) afirma que o fazer etnográfico está informado por um marco teórico-conceitual que gira em torno de três conceitos: função, estrutura e cultura, implicando, desse modo, em três concepções distintas do exercício etnográfico a partir das perspectivas de Bronislaw Malinovsky, Claude Lévi- Strauss e Clifford Geertz. O texto traz questões contemporâneas relativas ao exercício etnográfico no século XXI, marcado pelos conflitos étnicos e religiosos em países do Norte e Sul.

“‘Leviandades’ eleitorais: a abertura das cortinas para um espetáculo misógino”, de Elizabeth Christina de Andrade Lima (UFCG) e Rafael Maracajá Antonino (UFCG), problematiza a utilização do termo “leviana”, amplamente utilizado por ocasião dos debates entre os candidatos à presidência da República, ocorridos no período que antecedeu as eleições de 2014, e apresenta os discursos de misoginia dirigidos à Presidenta Dilma no ciberespaço, interpelando as relações de gênero e as redes sociais.

O artigo “O colapso das políticas de emprego no Brasil: causas e perspectivas”, de Marcelo Alvares de Sousa (MDS), debate o colapso das políticas de emprego no país através da análise da execução físico-financeira das principais políticas ativas e passivas desenvolvidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, no âmbito do Programa de Seguro Desemprego, com base nos Relatórios de Gestão do Fundo de Amparo ao Trabalhador (2004-2013).

“Um circuito chamado desejo: notas sobre os pontos de pegação em João Pessoa”, de Thiago de Lima Oliveira (UFPB),, tem por base uma pesquisa etnográfica em um circuito de trocas eróticas, afetivas e sexuais chamado de pegação. Ele afirma que o espaço e os marcadores sociais da diferença estão imbricados, produzindo relações e significações mútuas a partir de economias eróticas que valorizam e (re) produzem expectativas sobre gênero, raça, classe e gerações.

Esse número da revista sinaliza, mais uma vez, nosso compromisso com as ciências sociais como área de pesquisa e diálogos, e com os rumos políticos e sociais do nosso país.

Boa leitura!

Giovanni Boaes e Flávia Ferreira Pires

Editores



Tagged under:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net