10 Dec
Ocupar a escola, ocupar a cidade
Lido 1894 vezes | Publicado em Artigos Semanais |
 
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

No início da tarde do dia 4 de dezembro, nem bem terminava mais uma violenta sessão de repressão policial contra mais uma manifestação de estudantes secundaristas de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin anunciava a suspensão da reorganização das escolas estaduais. Poucas horas depois, o secretário de educação Herman Voorwald entregava seu pedido de demissão. Tudo isso acontece após quase um mês de protestos dos estudantes contra a proposta de reorganização das escolas que acarretaria no fechamento de mais de 90 unidades.

 

O texto “Ocupar a escola, ocupar a cidade” foi produzido pela equipe do blog observaSP com o propósito de refletir e mostrar que o debate sobre a escola também diz respeito ao direito à cidade, já que o espaço educacional é um território significativo para a cidade, lugar de constituição de direitos e cidadania. Nesse sentido, a análise debate a ocupação, a necessidade urgente de participação social na definição de políticas públicas. Definir políticas de cima pra baixo, sem ouvir as vozes da sociedade, modo pela qual o Estado brasileiro habituou-se a operar historicamente, passa a não ter mais espaço nos dias atuais.

O blog observaSP é uma iniciativa do Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade/FAU/USP), que   integra o projeto de pesquisa “Estratégias e instrumentos de planejamento e regulação urbanística voltados à implementação do direito à moradia e à cidade no Brasil”, com financiamento da Fundação Ford. O INCT Observatório das Metrópoles participa do projeto com estudos de caso no Rio de Janeiro, coordenado pelo professor Orlando Alves dos Santos Jr., e em Fortaleza, coordenado pelo professor Renato Pequeno.

O blog observaSP  tem como objetivo monitorar e influenciar políticas urbanas municipais, com foco na função social da propriedade, inclusão socioterritorial da população de baixa renda e ampliação do acesso aos serviços urbanos. Coordenado por Paula Santoro e Raquel Rolnik, o observaSP irá monitorar os desdobramentos do novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo e a implementação da Operação Urbana Consorciada Água Branca.

 

Ocupar a escola, ocupar a cidade

Por Equipe observaSP

 

No início da tarde desta sexta-feira, nem bem terminava mais uma violenta sessão de repressão policial contra mais uma manifestação de estudantes secundaristas de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin anunciava a suspensão da reorganização das escolas estaduais. Poucas horas depois, o secretário de educação Herman Voorwald entregava seu pedido de demissão. Tudo isso acontece após quase um mês de protestos dos estudantes contra a proposta de reorganização das escolas que acarretaria no fechamento de mais de 90 unidades.

Desde o início de novembro, quando o governo anunciou a medida, os estudantes promoveram ocupações em cerca de 200 escolas e realizaram diversas manifestações de rua, quase sempre reprimidos pela polícia. A proposta do governo é frágil e já foi questionada não apenas pelos estudantes, mas também por educadores e por uma série de instituições ligadas à área educacional, que se posicionaram publicamente contra as medidas anunciadas (veja links ao final do texto).

 

O fato é que não houve espaço algum de participação social nesse processo. Uma política que impacta diretamente na vida de estudantes, suas famílias, professores, funcionários das escolas, e que foi tomada de cima pra baixo, sem nenhum diálogo. Os estudantes então reagiram, com toda razão, ocupando escolas – um espaço que, por sinal, já é deles – e ruas da cidade, a fim de chamar a atenção da sociedade para a questão.

 

Ocupações e manifestações nas ruas são formas de pressionar por políticas onde o território importa. São meios muito utilizados, por exemplo, por movimentos de moradia. As ocupações de escolas promovidas pelos estudantes, com amplo apoio de diversos setores da sociedade, mostram que o assunto não se restringe aos que hoje são usuários diretos desses espaços (alunos, pais, professores), mas diz respeito a todos os cidadãos, que entendem ser de grande importância a oferta de escolas públicas perto de onde vivem, moram, trabalham, estudam etc.

 

De certo modo, esse debate transcende a questão educacional. Se compreendemos o espaço da escola como um território significativo para a cidade, lugar de constituição de direitos e cidadania, trata-se também de uma causa das cidades.

 

É importante reafirmar que a elaboração e implementação de políticas públicas deve incluir a participação da população, conforme prevê a Constituição Federal. Portanto, agora que o governo anunciou a suspensão da medida, é necessário que seja aberto um amplo debate não apenas com os estudantes e com a comunidade escolar, mas com a sociedade, já que esse é um tema que interessa a todos.

 

É imprescindível, inclusive, que o governo estadual apresente dados e informações claras que permitiam avaliações qualificadas das políticas educacionais em curso e de possíveis propostas. No caso da localização das escolas no território, por exemplo, que critérios determinam onde deve ou não deve ter escola? Como é planejada a implantação desse equipamento? Como são consideradas nessas decisões as dinâmicas de vida da população envolvida no cotidiano das escolas? Enfim, os parâmetros para a distribuição das escolas precisam ser conhecidos, discutidos e planejados com os cidadãos.

 

Esperamos que, finalmente, essas e outras questões possam ser discutidas em espaços abertos e efetivamente democráticos.

———-

Seguem abaixo alguns manifestos contra a reorganização das escolas estaduais e em apoio à mobilização dos estudantes:

Manifestação da Faculdade de Educação da Unicamp
Manifestação da Faculdade de Educação da USP – FEUSP
Moção de repúdio da Unifesp – Campus Guarulhos
Manifestação da Congregação da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp – Araraquara
Manifesto de intelectuais e artistas em apoio às escolas
Manifesto de entidades da área da Educação
Manifesto de professores de escola estadual da Zona Oeste
Nota de departamentos e programas de pós-graduação da UFSCar

 



Etiquetado como:
O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net